cukurs-capa

 

Antecedentes

O nazista Herber Cukurs foi responsável pela execução de cerca de 30 mil judeus na Letônia, sendo conhecido como o “Carniceiro de Riga”.

Cukurs-foto2Nascido na Letônia, Cukurs, que foi um capitão aviador da Força Aérea Letoniana, tornou-se comandante do infame Esquadrão da Morte da ‘Latvian Arajs Kommando’ uma das mais notórias unidades de extermínio durante o Holocausto. Cukurs  expulsava os judeus de suas casas e os mandava direto à execução. Sobreviventes relatam que ele não só matava adultos, mas também crianças até na frente dos pais. Chegou a executar um bebê no colo da mãe.

Documentos nazistas da Letônia mencionavam constantemente o nome de Herbert Cukurs, o que levou o Mossad, (Instituto para Inteligência e Operações Especiais) de Israel a procurá-lo na década de 60. Descobriu-se que ele fugiu para o Brasil e que vivia em São Paulo, capital.

Cukurs chegou ao Brasil em 4 de março de 1946, durante o Carnaval, a bordo do vapor “Cabo da Boa Esperança”. Antes, tinha conseguido visto na França com a justificativa de ser perseguido político.

Enquanto esteve em território brasileiro, o nazista morou em Niterói, Santos, Rio de Janeiro e São Paulo. Renovava anualmente o direito de porte de armas no Brasil com receio de ser capturado por caçadores de nazistas. Além disso, contou Cukurs-identidadecom proteção policial durante sua permanência na capital paulista.

O planejamento

O Mossad sabia que ao contrário de Eichmann, que era um burocrata militar, Cukurs era um soldado de campo, tinha “sangue nas mãos” com experiência de combate. Por isso concluíram que não seria seguro tentar capturá-lo e julgá-lo como fizeram com Eichmann. Cukurs teria que ser executado. A ação tomou o nome de ‘Operação Riga’.

No Brasil Cukurs recebia proteção inclusive de autoridades. Assim, ficou decidido que Cukurs deveria morrer no Uruguai. E ao contrário de Eichmann, para essa operação seria usado inicialmente apenas um único agente do Mossad.

O agente do Mossad enviado estava disfarçado, sob a falsa identidade de Anton Kuenzle, como sendo um empresário austríaco que veio para o Brasil buscando negócios no ramo turístico. Tinha um visual alterado, com bigode e grandes óculos de grau.

A abordagem

Cukurs-Rodrigo de FreitasO agente entrou no hidroavião de Cukurs que o usava para passeios turísticos e falou sobre seus negócios, suas intenções no Brasil e depois de muita conversa, tendo feito amizade com o nazista, o convidou para vir fazer parte de seus novos negócios na América Latina.

Cukurs era muito astuto, esperto, sempre em alerta. Ele já sabia que o Mossad havia capturado Eichmann e o mandado à forca. Mas a ganância do nazista falou mais alto. Queria seus dias de riqueza de volta.

A “amizade”

Logo, confessou ao agente que era ex-combatente nazista. O agente não mostrou reação para que Cukurs não desconfiasse, e até mostrou uma Cukurs-hidroplano guarapirangacicatriz no peito, feita em uma cirurgia, e disse que também tinha servido no exército na Austria.

Foi o começo de uma amizade que não duraria muito. Cukurs convida certo dia o agente do Mossad para visita-lo em sua casa em São Paulo. O agente conhece a família de Cukurs que lhe mostra orgulhosamente suas medalhas.

O agente diz a Cukurs que precisa voltar a Áustria e o convida para abrir um negócio no Uruguai, quando voltar.

A ‘Operação Riga’ se aproxima do objetivo

Cukurs aceita e o agente do Mossad vai para Israel para voltar dessa vez com a sua equipe de execução. No Uruguai, a equipe do Mossad arranja uma casa afastada de Montevidéu que usariam para subjugar o nazista.

Cukurs-mossad-logoO agente volta ao Brasil para buscar Cukurs para irem ao Uruguai e pede para esperá-lo no aeroporto. Sempre desconfiado, o nazista filma o agente no aeroporto. Cukurs dá um pretexto para voltar para casa onde entrega o filme à sua mulher e diz para ela que se algo acontecer com ele, aquele homem seria o responsável.

Mais tarde Cukurs embarca para Montevidéu. Na capital uruguaia, os dois “amigos” rondam pela cidade, procurando um lugar para montar o escritório. Depois de várias horas rodando a cidade, o agente leva o nazista para a casa onde se encontrava sua equipe.

Cukurs-foto4A execução

O agente entra à frente na casa, com Cukurs atrás. Imediatamente os agentes do Mossad o agarram.

Mesmo com seis homens tentando derrubá-lo, Cukurs resiste. Os agentes do Mossad estavam de posse de uma carta com as acusações dos crimes do nazista com a intenção de ler o documento para Cukurs. Mas a resistência dele era feroz e ele tentou sacar sua arma, fazendo os agentes dispararem dois tiros fatais na cabeça, sem haver tempo de ler as acusações.

Seu corpo foi colocado num baú juntamente com a sua sentença, e só foi encontrado 11 dias depois, já em adiantado estado de decomposição, apesar de vários órgãos da imprensa sul-americana e alemã terem recebido notas do Mossad informando a execução. Foram consideradas como “brincadeiras de mau gosto”.

A Nota deixada no baú: 

cukurs-nota

cukurs-malaO agente que usava o nome de Anton Kuenzle raspa o bigode e joga fora os óculos, sendo impossível ser identificado pelo filme. Toda a equipe volta para Israel. Missão ‘Operação Riga’ cumprida. A justiça foi feita.

Em 1991 o agente foi co-autor do livro “A Execução do Carniceiro de Riga. A Única Execução de um Criminoso de Guerra Nazista pelo Mossad”, onde descreve com todos os pormenores como a ação foi preparada e executada, assinando como ‘Anton Kuenzle’.

A verdadeira identidade do agente

O agente do Mossad que usou o nome Anton Kuenzle morreu em Tel Aviv em 30 de junho de 2012 com 93 anos de idade. Só então foi divulgado seu nome verdadeiro como sendo Yaakov Meidad, um veterano lutador por Israel desde os tempos da Haganá, e que teve seus pais assassinados em campos de concentração nazistas.

 

http://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2016/09/Cukurs-foto5-1.jpghttp://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2016/09/Cukurs-foto5-1-150x150.jpgMoisés SpiguelHISTÓRIAS DO HOLOCAUSTOBrasil,Cukors,Mossad,nazista  Antecedentes O nazista Herber Cukurs foi responsável pela execução de cerca de 30 mil judeus na Letônia, sendo conhecido como o 'Carniceiro de Riga'. Nascido na Letônia, Cukurs, que foi um capitão aviador da Força Aérea Letoniana, tornou-se comandante do infame Esquadrão da Morte da 'Latvian Arajs Kommando' uma das mais notórias...Comunidade Judaica Paulistana