Menorah chanuka

Estamos nos aproximando de Chanucá, com a graça de D”us, Festa das Luzes, de iluminação espiritual da Torá, da força do Judaísmo em meio trevas de culturas alheias e hostis a Torá. Em Chanucá relembramos não somente o milagre da duração do óleo sagrado na Menorá por oito dias, mas também recordamos do sacrifício que nossos antepassados sofreram para que hoje, 2200 anos depois, pudéssemos comemorar  os dias de Chanucá com tranquilidade, acendendo Chanukiot em praças públicas, inclusive nas sedes dos grandes governos e com a presenças dos líderes mundiais.

Grandes foram os sacrifícios que o Povo de Israel que se recusou a abandonar Torá e mitzvot sob domínio Selêucida (greco-sírio) naquela época.

Tudo começou com a conquista da Terra Santa pelos gregos, que eram comandados por ninguém menos que ALEXANDRE MAGNO. Ele derrotou os Persas na Ásia Menor ( Turquia) e logo veio espalhando seu reino por toda região do Oriente Médio, engolindo todo Império Persa numa velocidade tremenda. Os gregos  não eram lá benevolentes com seus inimigos conquistados.

Depois de conquistar facilmente o Egito, os olhos dele se voltaram para a pequena Judá, que era uma província autônoma do Povo de Israel desde quando Ciro o Grande, deu permissão 150 anos antes, para o Povo Judeu voltar para a Terra Santa e reconstruir o Templo Sagrado.

Alexandre o Grande já havia escutado diversas estórias sobre os Judeus, de como a religião deles era única e peculiar, totalmente diferente das crenças comuns aos povos do mundo. Ele achava tudo muito ”exótico” e curioso. Estava decidido conhecer. Por influência dos inimigos do Povo Judeu na época, Alexandre deu ouvidos à calúnias sobre este, tomado de raiva decidiu ir conquistar Jerusalém, saquear o Templo Sagrado e banir todos os judeus de Jerusalém!

Diz-nos os Sábios que, na época de Alexandre, quem era o Cohen Hagadol era ninguém menos que o Santo SHIMON HATZADIK ZY”A. Cuja história já relatamos aqui:http://portaljudaico.com.br/shimon-hatzadik/

Por orientação divina, Shimon HaTzadik salvou o povo Judeu e Jerusalém da destruição. Mas os gregos se instalaram na Terra Santa, anexando-a ao vasto Império Macedônico. Passados os anos com a morte de Alexandre aos seus 32 anos ( 323 AEC), seu Império foi dividido entre seus 4 generais, que a partir de então disputariam entre si maiores porções do Império na famosa Batalha de Ipsus. O Império Macedônico quebrou-se tão rapidamente como foi criado, Egito e Norte da África ficou com Ptolomeu I, já a Grécia  e parte da Turquia foi dividida entre Lisímaco e Cassandro. Já o resto do Oriente Médio: desde a oeste da Índia, Pérsia, Levante ( Síria, Líbano e Terra Santa) assim como partes da Ásia Central, ficaram com SELEUCO, dele nasce o Império SELÊUCIDA. Cuja capital era Damasco, Síria.

Após a morte de Seleuco, seu reino foi passado para seu filho Seleuco II, este passou para seu filho Antíocho III,o Grande até chegar ao filho deste, ANTIOCHOS IV (215-165 AEC), o auto proclamado ”EPÍPHANES” ou do grego ”deidade Manisfestada”. Este foi o perverso Imperador que resolveu acabar com o Judaísmo entre o povo de Israel de forma severa.

antioco epifanes

Durante seu curto reinado de 10 anos ( 175-165 AEC) ele deu ordens de banimento total da prática do Judaísmo, sob pena de morte quem não  aderisse ao paganismo grego. Conta-se que os soldados gregos chegavam em aldeias judias, ordenava que o povo se reunisse na praça, eles traziam altares móveis e porcos para um sacrifício às deidades Gregas, ordenando que os chefes principais da aldeia dessem o exemplo aos judeus, caso não cumprissem, todos eram mortos, a sinagoga destruída, assim houveram muitos mártires judeus que não se deixavam abater com a morte iminente, assim santificavam o Nome Divino com seu martírio.

Jerusalém foi facilmente tomada pelos judeus ”Helenistas”, uma classe de judeus que aderiram ao paganismo grego, assimilando-se completamente, passaram a serem os ”representantes” da comunidade perante os gregos. Inúmeras famílias de sacerdotes aderiram ao paganismo grego, banindo assim aos Sábios do Sinédrio e aos Cohanim que não se deixaram assimilar pelo paganismo. O Templo foi assim facilmente tomado pelos Helenistas, o Serviço Sagrado interrompido, gregos e helenistas entraram no Templo, profanando-o com idolatria, ergueram uma estátua de Zeus ( principal deidade no paganismo grego) cuja mão tinha uma estátua do próprio Antiochos. O Mizbêach ( Altar Externo de sacrifícios) foi completamente profanado com sacrifícios de porcos e javalis. A Menorá apagada e quebrada, assim como todos os objetos sagrados.

Tudo parecia perdido, os judeus que resistiram tiveram que fugir para as montanhas e florestas, mas com as emboscadas dos gregos e helenistas durante os Shabatot ( quando os judeus se abstinham do trabalho) eles eram facilmente capturados e mortos. Os grupos de resistência passaram a serem chamados de ”Chassidim”, vestiam túnicas pretas em sinal de luto por Jerusalém. Daqui nasce os Chassidim de hoje.

Mas o Criador do Mundo não abandonara Seu Povo, levantou uma família de Cohanim descendente de Shimon HaTzadik, chamada Chashmonai. O chefe da família era o último Cohen Hagadol legítimo deposto pelos Helenistas, que vivia escondido numa pequena aldeia rural  nos lados norte de Jerusalém chamada Modi’im, estamos falando de MATATIAHU BEN YOCHANAN HACOHEN HAGADOL.

Matatiahu Ben Yochanan tinha uma linhagem impecável: Ele era um filho de Yochanan, neto de Shimon HaTzadik, e bisneto de Chashmon (daí o sobrenome Chashmonaí), um Cohen da linhagem de Yoarib, o quinto neto de Idaiá, filho de Yarib e neto de Yachim, por sua vez, um descendente de Pinechás HaCohen , terceiro Sumo Sacerdote de Israel, pois este era filho de Elazar e neto de Aharon HaCohen! Isto consta no próprio Livro dos Macabeus.

Depois que as perseguições de Antíochos começaram, Matatiahu e família retornaram a Modi’im. Em 167 AEC, quando perguntado por um representante do Governo grego para oferecer sacrifício aos deuses gregos , ele não só se recusou a fazê-lo, mas matou com suas próprias mãos o judeu que havia se adiantou para fazê-lo. Ele então matou o funcionário do governo que exigia o ato.

”Que todo aquele que tem zelo pela Lei de Moshe e que preza a aliança, siga-me! ”

Diz Matatiahu, depois de matar a facada o judeu helenista e o oficial do governo grego.

Mediante o decreto de prisão, ele se refugiou no deserto da Judéia com seus cinco filhos (Yehudá HaMacabi, Elazar Hachorani ” último filho”, Shimon HaTarsi, Yochanan HaGadi ” o mais velho”  e Yonatan HaVupassi exortou a todos os judeus a segui-lo pelas montanhas, maior parte do povo na época atendeu ao seu chamado.

Seu filho do meio, Yehudá, foi designado para ser o líder da resistência, sob o lema no escudo dos combatentesMi Kamocha Baelim HaShem”  ou MaKaBI, que significa ”Quem é como Tú entre os deuses, ó Eterno?” Os Macabim ou Macabeus  foram seguindo em batalhas e emboscadas nas florestas e montanhas da Judéia contra os exércitos selêucidas. Pouco a pouco, com muita dificuldade, poucos homens e muita Emuná (Fé) eles foram expulsando os gregos da região.

Mas nosso Santo Cohen Matatiahu Ben Yochanan morreu ferido  gravemente durante a primeira batalha!!! O livro de Macabeus relata em detalhes como foram as batalhas.

Mais tarde nas batalhas seguintes, Yehudá e seus 3 irmãos, (pois Elazar também falece pisoteado por elefantes) toma Jerusalém exato 1 ano do falecimento de seu pai, aos 25 de Kislev, e purifica o Templo Sagrado, mas seu pai, cujo coração ardia de zelo pela Torá, que havia iniciado a revolta que não permitiu que o Judaísmo se perdesse completamente na escuridão, não estava mais com eles para ver a vitória.

Tumba de Matatiahu Ben Yochanan e de seus filhos, em Modi'in.
Tumba de Matatiahu Ben Yochanan e de seus filhos, em Modi’in.

Matatiahu ben Yochanan HaCohen HaGadol ZY”Ateve seu nome eternizado pelos Sábios, quando estabeleceram a liturgia de Chanucá, incluindo um trecho com seu nome e o resumo da história miraculosa da salvação de Israel por meio dele, nós o recitamos todos os oitos dias de Chanucá, na Amidá e no Birkat Hamazon.

Ele foi enterrado por seus filhos na gruta da família na cidade de Modi’in,onde até hoje milhares de pessoas vão rezar em seu túmulo, rogando que pelos méritos do Santo Cohen, o Criador atenda a todos.

Que os méritos santos de Matatiahu Ben Yochanan HaCohen Hagadol HaChashmonai A”H nos proteja sempre, AMÉN!!!

 


 

http://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2016/12/Menorah-chanuka-1024x668.jpghttp://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2016/12/Menorah-chanuka-150x150.jpgDiogo Hara ClaroGRANDES SÁBIOS25 de Kislev,Alexandre o Grande,Antiochos Epifanes,Chanucá,Gregos,Macabeus,Macabim,Matatiahu,Matatiahu Ben Yochanan,Rabi,Selêucidas,Shimon HaTzadikEstamos nos aproximando de Chanucá, com a graça de D''us, Festa das Luzes, de iluminação espiritual da Torá, da força do Judaísmo em meio trevas de culturas alheias e hostis a Torá. Em Chanucá relembramos não somente o milagre da duração do óleo sagrado na Menorá por oito dias,...Comunidade Judaica Paulistana