JUSTOS-CAPA-MOHAMMED+FRIEDA SZTURMANN

No Museu do Holocausto – Yad Vashem – em Jerusalém, existe uma árvore plantada em homenagem a cada “Justo entre as Nações”, título concedido pelo governo de Israel em reconhecimento a todos os não-judeus que durante a Segunda Guerra Mundial salvaram vidas de judeus da sanha sanguinária do nazismo.

Mohammed Helmy, um médico árabe residente em Berlim durante a Segunda Guerra Mundial, assim como sua esposa alemã Frieda Szturmann são Justos entre as Nações.

Mohammed+familia AnnaO Yad Vashem — Museu do Holocausto de Jerusalém, homenageou pela primeira vez em 2 de outubro de 2013 um árabe muçulmano  tido como “Justo entre as Nações”, por ter ajudado a salvar a vida de judeus durante o regime nazista.

Trata-se do Dr. Mohammed Helmy, um médico egípcio que viveu em Berlim durante a Segunda Guerra Mundial e que, com a ajuda de sua noiva alemã, Frieda Szturmann, que também recebeu tal título, salvou a vida de uma família judia.

Helmy, nascido no Egito, em 1901, mudou-se para Berlim com 21 anos de idade, pouco antes dos nazistas chegarem ao poder. Após as Leis de Nuremberg, os judeus foram removidos de todos os aspectos da sociedade, em 1938.

Pela teoria racial nazista, Helmy era um Hamit, descendente de Ham, filho de Noé — um termo adotado no século 19 e utilizado para definir os nativos da África do Norte, inclusive egípcios,  pessoas do Chifre da África e do sul da Arábia.

Sendo portanto não “ariano”, Helmy foi proibido de trabalhar no serviço público nacional de saúde em Berlim e não lhe foi permitido casar com sua noiva por ela ser alemã o que feria as proibições racistas das Leis de Nuremberg nazistas.

mohammed-em alemãoEm 1939 foi preso com outros egípcios. Foi solto somente após 1 ano por motivos de saúde.

Mohammed foi perseguido pelo regime nazista e discriminado. Mesmo assim, voltou-se contra as políticas raciais nazistas e deu cobertura a uma família de judeus durante as perseguições ocorridas em Berlim.

“Era um bom amigo da família e me escondeu em uma cabana que tinha no bairro de Buch em Berlim até o fim da guerra. A Gestapo sabia que o Dr. Helmy era nosso médico de família e passou a ser perseguido” contou Anna.

mohammed-certificado“Ele conseguiu enganar todos os interrogatórios e, quando era o caso, me levava para casas de amigos para eu ficar lá, me apresentando como sua prima de Dresden”, relatou Anna Gutman, uma das que se beneficiaram de sua ajuda.

“O Dr. Helmy fez tudo por mim com a generosidade de seu coração e eu serei grata a ele pela eternidade” disse Anna.

O médico também contribuiu para salvar a vida de outras três pessoas da família de Gutman. Sua mãe Julies, seu padrasto George Wehr e a avó Cecília Rudnik oferecendo-lhes assistência médica e cobertura também para vários de seus amigos.

Mas a família foi apanhada em 1944. Durante o brutal interrogatório a que foram mohammed-familia sturmansubmetidos não resistiram e revelaram que Helmy estava ajudando tanto eles como Anna.

Helmy imediatamente trouxe Anna Gutman e sua avó para a casa de sua noiva alemã Frieda Szturmann.

Apenas sua habilidade o mantinha fora de problemas.

Anna e sua família conseguiram se manter escondidas graças a Helmy e quando terminou a guerra (1945) emigraram para os Estados Unidos, mas não esqueceram o heroísmo de Helmy.

Nos anos 50 e mais tarde nos 60 eles escreveram cartas ao Senado berlinense, com loas a atitude heróica de Mohammed Helmy.

Essas cartas foram descobertas em anos recentes nos arquivos de Berlim e foram submetidas ao Yad Vashem.

Mohammed permaneceu em Berlim já livre do nazismo e finalmente casou com sua noiva alemã.

Frieda Szturmann morreu em 1962. Anos depois Helmy casou novamente.

Mohammed Helmy morreu em 1982.

 

[Com agradecimento a Fernanda Felicity pela indicação do caso]

http://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2017/02/JUSTOS-CAPA-MOHAMMEDFRIEDA-SZTURMANN.jpghttp://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2017/02/JUSTOS-CAPA-MOHAMMEDFRIEDA-SZTURMANN-150x150.jpgMoisés SpiguelHISTÓRIAHISTÓRIAS DO HOLOCAUSTOHolocausto,Justos entre as NaçõesNo Museu do Holocausto – Yad Vashem – em Jerusalém, existe uma árvore plantada em homenagem a cada “Justo entre as Nações”, título concedido pelo governo de Israel em reconhecimento a todos os não-judeus que durante a Segunda Guerra Mundial salvaram vidas de judeus da sanha sanguinária do nazismo. Mohammed...Comunidade Judaica Paulistana