Millôr Fernandes nasce no Rio de Janeiro, no dia 16 de agosto de 1923. Filho do engenheiro Francisco Fernandes e de Maria Viola Fernandes, por erro de caligrafia do tabelião, seu nome que deveria ser Milton, foi registrado Millôr. Ficou órfão de pai aos dois anos e de mãe aos 12 sendo criado pelos tios.

Com 15 anos começa a trabalhar na revista O Cruzeiro, como repaginador e contínuo. Com 16 anos, teve a primeira oportunidade de exibir seu talento, foi convocado a preencher uma lacuna de publicidade em quatro páginas da revista A Cigarra. Ao conjunto do trabalho ele deu o nome de Poste-Escrito. Assinava com o pseudônimo de “Vão Gôgo”. Em 1943 volta para a revista O Cruzeiro.

cartum                         millor1

Em 1946, faz sua estreia literária com o livro Eva sem Costela – um livro em defesa do homem, e sete anos depois é montada sua primeira peça de teatro, Uma Mulher em Três Atos. Sua coluna “O Pif-Paf”, que depois vira revista, foi considerada uma das pioneiras da imprensa alternativa. Quatro anos depois em 1969 participa da fundação do jornal O Pasquim, em companhia de Jaguar, Ziraldo, Tarso de Castro e outros. o tabloide incendiário que fustigava a ditadura militar.. Anos depois, escreve a peça de teatro “Computa, computador, computa”, escreve livros como: “Esta é a verdadeira história do Paraíso”, “Trinta nos de mim mesmo”, “É”. Traduz obras em inglês e francês. Faz pinturas, desenhos, textos, entre outros. Retorna a revista “Veja” em 2004 e fica até 2009.

enterro de mondrian                                            05_MVG_capa pasquim40

enterro de Mondrian

 

Millôr tem mais de 40 títulos publicados, Como dramaturgo, alcançou sucessos como Liberdade, Liberdade (em parceria com Flávio Rangel). Como artista gráfico teve trabalhos expostos em várias galerias de arte do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Fez roteiros de filmes, programas de televisão, shows e musicais e foi um dos mais solicitados tradutores de teatro do país. Irônico, polêmico, com seus textos (aforismos, epigramas, ironia, duplos sentidos e trocadilhos) e seus desenhos, foi um gênio de sua arte.

Miseria 1976 para a vejamiseria 1976 para revista veja….parece hoje nao?

 

Colabora com o jornal “Folha de S. Paulo”, e cria seu site “www.millor.com.br”, em 2002 Em fevereiro de 2011, Millôr sofre de AVC (Acidente Vascular Cerebral), fica na UTI alguns meses, recebe alta em 28 de junho. Passa mal alguns dias depois, fica internado, dia 28 de março de 2012, ele vem a falecer  no Rio de Janeiro por falência múltipla de órgãos e parada cardíaca

fonteFdo millor

 

Algumas Frases e Pensamentos de Millôr Fernandes

“A verdadeira amizade é aquela que nos permite falar, ao amigo, de todos os seus defeitos e de todas as nossas qualidades.”

“As pessoas que falam muito, mentem sempre, porque acabam esgotando seu estoque de verdades.”

“Como são admiráveis as pessoas que nós não conhecemos bem.”

“Viver é desenhar sem borracha.”

“Democracia é quando eu mando em você, ditadura é quando você manda em mim.”

“Com muita sabedoria, estudando muito, pensando muito, procurando compreender tudo e todos, um homem consegue, depois de mais ou menos quarenta anos de vida, aprender a ficar calado”.

“Esta é a verdade: a vida começa quando a gente compreende que ela não dura muito”.

“Se todos os homens recebessem exatamente o que merecem, ia sobrar muito dinheiro no mundo”.

“Se uma imagem vale mais do que mil palavras, então diga isto com uma imagem.”

tictac

Desenho de Millôr Fernandes para ilustrar o seu Hai-Kai:

A vida é um saque

Que se faz no espaço

Entre o tic e o tac

http://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2017/02/millor-com-lapis.jpghttp://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2017/02/millor-com-lapis-150x150.jpgAlicia StiubiARTE E ARQUITETURAOBRAS DE ARTEcartunista,Genio,Miloor Fernandes,ser iluminadoMillôr Fernandes nasce no Rio de Janeiro, no dia 16 de agosto de 1923. Filho do engenheiro Francisco Fernandes e de Maria Viola Fernandes, por erro de caligrafia do tabelião, seu nome que deveria ser Milton, foi registrado Millôr. Ficou órfão de pai aos dois anos e de mãe...Comunidade Judaica Paulistana