Nesta semana, relembramos  a Elevação da alma sagrada do maior Cabalista de todos os tempos, que trouxe Luz aos mais profundos assuntos contidos nos ensinamentos de Rabi Shimon Bar Yochai ZY”A.

Vamos para a sagrada cidade de Sfat, na linda Galil (Galiléia), berço da Kabbalah e local de descanso dos grandes Tzadikim do séc XVI com o ”LEÃO SAGRADO’‘.

RABI ITZCHAK LURIA BEN SHELOMO ASHKENAZI, ZTZK”L ZY”A, nasceu em 5294 (1534) na Sagrada Jerusalém,sua família era originária da Alemanha, daí o sobrenome Luria ”Ashkenazi”. Faleceu na santa cidade de Sfat em 5 de Av de 5332 (1572).

 

NASCE O ”LEÃO SAGRADO”

 

O próprio Profeta Eliahu foi o “Sandak” (padrinho) da “Brit Milá” (Circuncisão) do menino Itzchak.

O livro ”Sêfer HaKavanot U’maassê Nissim”, registra a história sobre seu nascimento:

”Houve certa vez um chassid notável na Terra de Israel chamado Rabi Shelomo Luria ZTZK”L… Um dia ele estava sozinho na Sinagoga estudando, quando o Profeta Eliahu apareceu-lhe e disse: ” Fui enviado pelo Todo-Poderoso para lhe dar a notícia que sua santa esposa dará luz a um filho, você deverá chamá-lo de ITZCHAK. Pois ele desamarrará Israel das Klipot ( forças impuras). Por meio dele, inúmeras almas receberão seu ”Tikun” (correção). Ele está destinado a revelar muitos mistérios da Torá e explicar o ”Zohar”. Sua fama se espalhará pelo mundo. Tome cuidado para não circuncidá-lo antes que eu venha para ser o ”Sandak”’. Terminando de falar, desapareceu…

Rabi Shelomo Luria foi para casa, mas não revelou seu segredo para ninguém, nem mesmo para sua esposa. Quando a criança nasceu, a casa ficou repleta de luz, no oitavo dia levaram para a sinagoga para a Circuncisão. Seu pai procurou em toda parte para ver se o Profeta Eliahu tinha chegado como prometera, mas não o encontrou.

Todos já estavam incomodados com a demora do pai em iniciar o Brit, mas ele respondia que nem todos os convivas estavam presentes. Passou mais de uma hora e nada do Profeta Eliahu aparecer, o Rabi Shelomo pensou consigo mesmo:‘Meus pecados devem tê-lo impedido de cumprir sua promessa’…

Enquanto Rabi Shelomo chorava, o Profeta apareceu em visão para ele e disse: ‘Não chore servo do Eterno. Aproxima-te do altar e ofereça teu filho como um sacrifício agradável dedicado aos Céus. Sente-se na minha cadeira e eu sentarei sobre você.’

E invisível aos olhos de todos presentes, exceto para o próprio Rabi Shelomo, o Profeta Eliahu sentou-se sobre ele, pegou a criança nos braços e segurou-a durante a Circuncisão. Nem o ”mohel” ( o cirurgião que realiza a operação) e nem os reunidos na sinagoga viram outra coisa além do próprio pai que fazia papel de ‘Sandak’  do seu próprio filho. Após a cerimônia, o Profeta prometeu novamente que o menino traria Nova Luz ao mundo, e desapareceu.”

 

O TZADIK CRESCE E FLORESCE COMO A TAMAREIRA:

 

Rabi Shelomo faleceu poucos anos depois. em 1541, incapaz de sustentar a família, sua mãe foi para Fustat, subúrbio de Cairo, onde foram viver com o irmão dela, Mordechai Franses, funcionário do Sultão. O jovem Itzchak foi estudar com os maiores Sábios da comunidade: Rabi David Ben Zimra ZTZK”L, o RADBAZ e Rabi Betzalel Ashkenazi ZTZK”L, seu outro tio, autor do famoso livro ”Shitá Mekubetzet”.

Quando tinha quinze anos, seu conhecimento em Talmud tinha superado todos os Sábios do Egito.  Porém, sua única obra sobre Talmud e Halachá ( Lei Judaica) que sobreviveu e chegou até nós é um comentário sobre o Tratado ”Zevachim’‘ do Talmud.

Casou-se com sua prima, filha do Rabi Betzalel Ashkenazi. Passou os primeiros sete anos em quase total reclusão do mundo externo, estudando com seu sogro. Foi nesta época que chegou ás mãos dele uma coleção antiga do ”Zohar Hakadosh”, daí ficou recluso por mais seis anos estudando-o. Atingiu aí altos níveis de Santidade. Por mais dois anos ficou revisando o estudo, sozinho, numa pequena casa perto do Nilo, não falando que quase nenhum ser humano.

Ele só voltava para sua casa na véspera de Shabat, ao fim da tarde de sexta-feira. Mesmo em casa ele não pronunciava sequer uma palavra trivial, nem mesmo com sua esposa. Quando era absolutamente necessário dizer ou pedir algo, ele o fazia com o menor número de palavras, isto tudo somente no Idioma Sagrado, o Hebraico. Assim procedeu até poder ser digno de receber a inspiração Divina e as visitas do Profeta Eliahu.

O Profeta Eliahu então se revelou a ele e começou lhe explicar mistérios da Torá em várias ocasiões. A partir daí, Rabi Itzchak todas as noites podia viajar espiritualmente aos Mundos Superiores para estudar.

Durante seus estudos pela noite, sua alma subia ao Alto: anjos vinham saudá-lo e perguntavam em que academia ele desejava visitar para estudar naquela noite. Por vezes ele escolhia a de Rabi Shimon Bar Yochai ZY”A, noutras vezes ia na de Rabi Akiva ZY”A, também na de  Rabi Eliezer ZY”A, o Grande. Depois começou visitar as dos Grandes Profetas do Tanach … como consta no livro ”Shivchêi HaARI;Toledot HaAri.

Em 1570, o Profeta Eliahu lhe fala para voltar para Terra Santa, ir para o norte – Sfat. Lá era para ele procurar o santo Rabi Moshe Cordovero ZTZK”L, segue o link sobre ele:http://portaljudaico.com.br/rabi-moshe-cordovero-o-ramak/ e estudar em sua escola e também o santo Rabi Chaim Vital ZTZK”L, que seria o futuro transmissor de seus ensinamentos.

 

O ”LEÃO SAGRADO” CHEGA A SFAT:

 

Logo quando chegou em Sfat, foi reconhecido pelo seu mestre, Rabi Moshe Cordovero ZTZK”L, como aquele que o Profeta Eliahu lhe havia dito que seria seu sucessor.

Sinagoga do ARIZAL, Sfat
Sinagoga do ARIZAL, Sfat

Logo após a elevação da santa alma do Ramak, nos dois anos em que foi líder dos Sábios em Sfat antes de sua elevação, Rabi Itzchak juntou muitos alunos ao seu redor e começou revelar os mistérios mais profundos da Torá e Cabalá, além de todos acontecimentos que cercavam o mundo. Seus alunos aceitaram o modo de vida meio ascético que o Rabi Itzchak estabeleceu entre eles.

Logo, Rabi Itzchak passou ser chamado de ”ARI”,formado pelas letras ”ÁLEF, RESH E YÚD”, que significa ”Leão”, mas ”ARI” é também o acróstico do título honorífico que recebeu: ‘Adonênu  ve Rabênu Itzchak(Nosso senhor e Rabi Itzchak) e também é ” Eloki Rabi Itzchak” ( Divino Rabi Itzchak). ARIZAL ou  ARI”ZAL significa: ARI, ZICHRONO LIVRACHÁ, ”lembrado para bênção”.

sidur arizal
Sidur com anotações do ARIZAL.

Sob sua inspiração divina, a reza diária ganhou novo significado, muito mais profundo, cada palavra e frase era extensamente explicada, cada letra era meditada. Assim o rito de reza ”Sefaradí” ganhou as explicações do ARIZAL.

As rezas diárias, os dias de jejuns públicos, Shabat e Festas da Torá passaram á ser um profundo encontro com o Criador de forma mais mística entre os alunos e moradores de Sfat.

Cada refeição do Shabat foi premiada com uma canção mística composta em aramaico pelo próprio ARIZAL:para a refeição da noite ele escreveu a ”Azamer Bishvachin” (”Cantarei elogios”)para a segunda refeição de dia de Shabat, compôs a ”Assader Li Seudáta”  ( (“Preparem a Refeição”) e para a terceira refeição da tarde de Shabat, ”Benê Hechalá”  ( ”Filhos do Palácio”).

Cópia do manuscrito do Rabi Chaim Vital, com as três canções para Shabat compostas pelo ARIZAL.
Cópia do manuscrito do Rabi Chaim Vital, com as três canções para Shabat compostas pelo ARIZAL.

A refeição de saída do Shabat ( ”Melavê Malka’‘- despedida da Rainha Shabat) ganhou uma liturgia especial composta por ele.

Os ensinamentos do ARIZAL logo chegaram ás mais distantes comunidades ao redor do Oriente e Europa, graças ao esforço incansável de seu copista, amigo e sucessor: Rabi Chaim Vital ZTZK”L.

Rabi Chaim Vital ZTZK”L era o único em que ARIZAL podia passar os mistérios da Torá e Cabalá na íntegra, daí o motivo do próprio ARIZAL não escrever seus ensinamentos de próprio punho, deixando assim a difícil tarefa para Raabi Chaim Vital, pois este sabia como passar a Luz dos ensinamentos do ARIZAL da forma adequada para os alunos e todos os judeus.

Com a chegada da imprensa á Terra Santa, Rabi Chaim Vital pôde com mais facilidade espalhar os ensinamentos de Torá e Cabalá proferidos por ARIZAL.

O trecho a seguir é a introdução que Rabi Chaim Vital ZTZK”L compôs sobre ARIZAL:

O ARI tranbordava de Torá. Ele era completamente versado em Tanach, Mishná, Talmud, ‘pilpul’, Midrash, Agadá, ‘Maassê Bereshit’ e ‘Maassê Mercavá’.

Era especialista na linguagem das árvores, das aves e na fala e escrita angelical. Podia ler os rostos da maneira delineada no Sagrado ‘Zohar'(2;74b).

Ele podia discernir tudo que qualquer pessoa tinha feito e podia ver o que a ela faria no futuro. Podia ler o pensamento das pessoas, antes mesmo antes mesmo que o pensamento lhe entrasse na mente. Ele conhecia os eventos futuros, sabia tudo que estava acontecendo aqui na terra, e o que era decretado no céu.

Ele conhecia os mistérios de ‘gilgul’ [reencarnação], quem tinha nascido previamente e quem estava aqui pela primeira vez. Ele podia olhar para alguém e dizer-lhe como ele estava conectado ao Criador e como esta alma estava relacionada com Adam.

Podia ler coisas assombrosas [sobre as pessoas], á luz da vela ou na chama de uma fogueira.

Com os olhos santos, ele perscrutava e podia ver as almas dos Tzadikim, tanto aqueles que tinham morrido recentemente quanto os que tinham vivido nos tempos antigos. Com estes ele estudou os verdadeiros mistérios da Torá.

Pelo odor de uma pessoa, ele podia dizer tudo que ela tinha feito, uma habilidade que o Sagrado ‘Zohar’ atribui à Sagrada ‘Yenuká’ [criança], (3;188a).

Era como se todos estes mistérios estivessem concentrados dentro dele, esperando para serem ativados sempre que ele quisesse. Ele não precisava isolar-se  para fazê-los aflorar.

Tudo isso vimos com nossos próprios olhos. Estas não são coisas que ouvimos dos outros. Eram coisas maravilhosas que ainda não tinham sido vistas na terra desde a época de Rabi Shimon Bar Yochai.

NADA DISSO ERA CONSEGUIDO POR MEIO DE MAGIA, D’US NOS LIVRE DISTO E NEM PERMITA!

Há uma forte proibição em nossa Sagrada Torá contra estas artes. Em vez disso, tudo vinha automaticamente, como resultado de sua alta Santidade e ascetismo, após muitos anos de estudo dos textos de Cabalá antigos e recentes.

Ele então intensificou sua piedade, ascetismo, pureza de olhos, ouvidos e boca, sua santidade até atingir um nível no qual  o Profeta Eliahu constantemente se revelava á ele, falando-lhe ”boca a boca”, ensinando todos os mistérios da Torá. Isso é o que acontecia também ao RAAVAD, [Rabi Avraham Ben David ZTZK”L, de Provença, 1125-1198]

Embora o dom de Profecia COMPLETA não exista mais em nossos dias, o ‘Ruach HaKodesh’ [Espírito Divino] ainda está aqui, manifestado através do Profeta Eliahu. É como se Eliahu HaNavi ensinasse diretamente seus alunos, comentando o versículo do Tanach: ‘Devorá era uma profetisa …’ [Shofetim, Juízes 4:4].

Eu chamo Céu e Terra como testemunhas, que nenhum indivíduo: homem ou mulher, judeu ou gentio, livre ou escravo, pode ter ‘Ruach HaKodesh’ concedido sobre ele [como foi para ARI]. Tudo depende de suas ações.”

(Rabi Chaim Vital ZTZK”L, introdução ao ”SHAAR HAHAKDAMOT, impresso em todas edições do ”ETZ CHAIM”)

 

O LEGADO DO ”LEÃO SAGRADO” :

 

ARIZAL introduziu muitos ”Min’haguim” (costumes) santos, que agora são parte integral de nossos serviços diários. Suas canções e rezas foram amplamente aceitas e adotadas por muitas comunidades e inseridas logo nos ”Sidurim” ( livros de rezas diárias), em parte ou na sua totalidade. Mais tarde o Santo RABI BAAL SHEM TOV ZTZK”L criaria um novo ”Sidur” totalmente baseado no ARIZAL, denominado ”NUSSACH HA ARIZAL”, adotado pelos ”Chassidim”.

Graças ao ARIZAL,  o Judaísmo foi vitorioso sobre várias heresias e crenças estranhas a Torá que eram amplamente difundidas nos séculos XVI e XVII. Se eternizando assim como um dos maiores Sábios e líderes do Povo de Israel.

 

A FAMOSA MIKVÊ DO ARIZAL:

 

Como ARIZAL possuia Inspiração divina e um grande nível de ”Ruach HaKodesh’‘ ( ”Espírito Divino”) pousava sobre ele, foi então capaz de redescobrir os túmulos de muitos judeus no pé do Vale da cidade de Sfat ( que haviam sido perdidos pelas tantas guerras e invasões estrangeiras na Terra Santa), incluindo de Tzadikim do Tanach e do Talmud.

Vista geral da Mikvê do ARIZAL, Sfat
Vista geral da Mikvê do ARIZAL, Sfat

Lá no topo do Vale, ele descobriu uma fonte de água nascente fresca muito gelada e límpida, onde ele construiu seu ”Mikvê” (‘Banho ritual’), onde ele mergulhava todas as madrugadas, fosse inverno rigoroso ou verão, antes da prece matutina e do estudo.

Interior da Mikvê
Interior da Mikvê

A água límpida e extremamente gelada brota assim do fundo do solo de pedras da Mikvê, até hoje: Judeus de todos as origens e ritos: Sefaradim, Mizrachim, Ashkenazim, Chassidim, Litaim de todo Israel e Diáspora vão até lá se banhar durante o ano inteiro, especialmente em cada véspera de Lua Nova- o início de mês hebraico, como prescrevia o Rabi Chaim Vital ZTZK”L.

Sua Mikvê só pode ser usada por homens, por questão de recato. Mulheres não podem entrar no recinto onde fica a Mikvê, somente seus parentes do sexo masculino podem. A estrutura de pedra onde está a Mikvê fica aberta dia e noite, 7 dias por semana, 365 dias por ano.

É dito pelo Rabi Chaim Vital ZTZK”L que o homem que se banha no Mikvê do ARIZAL, com completo temor aos Céus e profunda Teshuvá ( arrependimento pelos pecados), tem seus pecados, desta vida e das anteriores, perdoados.

 

O DESCANSO DO  ”LEÃO SAGRADO”:

 

Aos 5 de Av de 5332 (1572), com apenas 38 anos de idade, dois anos depois que seu santo mestre Rabi Moshe Cordovero deixou este mundo e designou ele como líder, ARIZAL é acometido  por uma praga que assolou a cidade santa de Sfat naquele ano. O Santo ARIZAL deixou este mundo rodeado pelos seus alunos e todos os judeus da Terra Santa prantearam a perda do Tzadik.

Nos conta Rabi Chaim Vital ZTZK”L :

Meu mestre ordenou que, após seu falecimento, seu corpo deveria ser imerso [na Mikvê] uma última vez antes do sepultamento. No dia em que ele deixou este mundo, carregamos seu corpo até lá. Quando estávamos a ponto de imergi-lo, dissemos: ‘Mestre, nos perdoe, por favor’  e então começamos á escorregar seu corpo dentro da água. Para nosso espanto, ele curvou-se para frente e imergiu e saiu de dentro por si mesmo.” ( ”Anaf Etz Avot”, pág 78).

ARIZAL HAKADOSH ZY”A  foi enterrado ao lado de seu mestre, Rabi Moshe Cordovero ZY”A, juntamente com outros Tzadikim anteriores e colegas.

Que os méritos do Sagrado ARIZAL  HAKADOSH ZY”A  protejam todo Povo de Israel, AMEN!!!

 

 

http://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2016/08/arizal-tomb-1024x768.jpghttp://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2016/08/arizal-tomb-150x150.jpgDiogo Hara ClaroGRANDES SÁBIOSRELIGIÃOARIZAL,Ashkenazi,Baal Shem Tov,Cabalá,Galil,Itzchak Luria,Kabbalah,Moshe Cordovero,Rabi,Sfat,TALMUD,TORÁ,Tzadik    Nesta semana, relembramos  a Elevação da alma sagrada do maior Cabalista de todos os tempos, que trouxe Luz aos mais profundos assuntos contidos nos ensinamentos de Rabi Shimon Bar Yochai ZY'A. Vamos para a sagrada cidade de Sfat, na linda Galil (Galiléia), berço da Kabbalah e local de descanso dos...Comunidade Judaica Paulistana