Oswald de Andrade (1890-1954) foi escritor e dramaturgo brasileiro. Fundou, junto com Tarsila, o “Movimento Antropófago”. Foi uma das personalidades mais polêmicas do Modernismo. Era irônico e gozador, teve uma vida atribulada, foi militante político, foi o idealizador dos principais manifestos modernistas. Ao lado da pintora Anita Malfatti, do escritor Mário de Andrade e de outros intelectuais, organizou a Semana de Arte Moderna de 1922.

oswald pintura 1923

                                                               obra de Tarsila do Amaral 1922

Oswald de Andrade (1890-1954) nasceu em São Paulo, no dia 11 de janeiro de 1890. Filho único de José Oswald Nogueira de Andrade e Inês Henriqueta Inglês de Souza Andrade. Estudou Ciências e Letras no Ginásio de São Bento, onde ouviu de um professor que ia ser escritor. Passou a comprar livros e a escrever. Em 1909, O Diário Popular publicou seu primeiro artigo “Penando”, uma reportagem da excursão do presidente Afonso Pena aos Estados do Paraná e Santa Catarina. Em 1911, fundou a revista semanal “O Pirralho”, que ele mesmo dirigiu, junto com Alcântara Machado e Juó Bananère. O semanário contava, entre outros colaboradores, com o pintor Di Cavalcanti.

Em 1912 fez sua primeira viagem à Europa. A estada em Paris, além das ideias futuristas, deu-lhe uma companheira, Kainá, mãe de seu primeiro filho nascido em 1914. De volta a São Paulo, alugou um apartamento na Rua Líbero Badaró, onde conviveu com Maria de Lourdes Olzani. O local era frequentado por muitos intelectuais, entre eles: Monteiro Lobato, Guilherme de Almeida e Mário de Andrade. Em 1917 sua revista é fechada. Nesse mesmo ano, em sua coluna no Jornal do Comércio defende Anita Malfatti das críticas de Monteiro Lobato.

Em 1919 forma-se em Direito pela Faculdade de São Paulo. Oswald foi o orador do Centro Acadêmico 11 de Agosto. Nunca advogou. Continuou jornalista, tornou-se o principal divulgador da renovação literária no Brasil. Foi muito importante o seu papel na Semana de Arte Moderna de 22, e nos anos de afirmação modernista. Nesse mesmo ano, faz sua segunda viagem à Europa. Em Paris, na Sorbonne, dá a conferência “O Esforço Intelectual do Brasil Contemporâneo”.

Oswald de Andrade lançou em 18 de março de 1924, um dos mais importantes manifestos do Modernismo “Manifesto Pau-Brasil”, publicado no Correio da Manhã. Explicando o nome do manifesto, o autor diz “Pensei em fazer uma poesia de exportação. Como o pau-brasil foi a primeira riqueza brasileira exportada, denominei o movimento Pau-Brasil”.

o grupo dos 5

Grupo dos Cinco, da esquerda para a direita: Mário de Andrade,Anita Mafaltti, Menotti Del Picchia, Tarsila do Amaral, Oswald de Andrade

Em 1925 Oswald de Andrade lança o livro de poemas “Pau-Brasil”, em que põe em prática os princípios propostos no manifesto. O livro Pau-Brasil foi ilustrado por Tarsila do Amaral e apresenta uma literatura extremamente vinculada à realidade brasileira, a partir de uma redescoberta do Brasil.

Em 1926 casa-se com a pintora Tarsila do Amaral. Dois anos depois, radicalizando o movimento nativista, o seu “Manifesto Antropofágico” propõe que o Brasil devore a cultura estrangeira e crie uma cultura revolucionária própria. Nessa época, rompe com Mário de Andrade, separa-se de Tarsila do Amaral e casa-se com a escritora e militante política Patrícia Galvão, a Pagu. Em 1944, mais um casamento, com Maria Antonieta D’Aikmin, com quem teve duas filhas e permanece casado até o fim de sua vida.

José Oswald de Sousa Andrade morreu em São Paulo, no dia 22 de outubro de 1954.

oswald 1952

                                                                 foto de Oswald em 1952

http://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2016/12/oswald-pintura-1922-846x1024.jpghttp://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2016/12/oswald-pintura-1922-150x150.jpgAlicia StiubiARTE E ARQUITETURAOBRAS DE ARTEmovimento antropofagico,oswald de andrade,semana de arte modernaOswald de Andrade (1890-1954) foi escritor e dramaturgo brasileiro. Fundou, junto com Tarsila, o 'Movimento Antropófago'. Foi uma das personalidades mais polêmicas do Modernismo. Era irônico e gozador, teve uma vida atribulada, foi militante político, foi o idealizador dos principais manifestos modernistas. Ao lado da pintora Anita Malfatti, do...Comunidade Judaica Paulistana