MATEUS SOLANO-capa

De origem judaica por parte de mãe, Mateus Solano Schenker Carneiro da Cunha, judeu praticante, nasceu em Brasília, mas viveu lá apenas os primeiros meses de vida.

O pai, João, diplomata, foi transferido para Washington, nos Estados Unidos, e, depois, para Lisboa, em Portugal – onde os pais se separaram.

MATEUS SOLANO-casamentoAos 4 anos, ele, a mãe, a psicóloga Míriam, e o irmão caçula, Gabriel, voltaram para o Brasil e se fixaram no Rio de Janeiro, onde o ator mora até hoje.

Hoje o ator tem sua própria família. Desde 2008, ele e Paula Braun vivem juntos – a união foi oficializada em 2011 em uma cerimônia pequena – e são pais de Flora, de 6 anos.

O teatro entrou em sua vida nas aulas curriculares da Escola Parque, na Gávea, onde estudou durante 13 anos.

“As pessoas me diziam que eu era engraçadinho no palco, que levava MATEUS SOLANO-bar mitzvajeito.” Bem antes de concluir o ensino médio, já havia decidido que seguiria a carreira de ator, o que causou apreensão na família.

“Foi uma preocupação normal, porque fazer teatro no Brasil é muito difícil, não tem incentivo algum.” E Mateus diz que não passou dificuldades porque só deixou a casa da mãe há poucos anos.

“Antes disso não podia assumir compromissos. Ganhava uma grana aqui, mas nunca sabia quando ia ganhar outra ali.”

Judeu praticante, Mateus afirma que faz questão de comemorar os feriados da religião. “Nunca estudei em colégio judaico, mas fui da Chazit, e tenho recordações maravilhosas desse período”.

“Tenho uma mezuzá¹  na porta de casa. Sempre frequentei sinagoga, e a Comunidade Judaica Brasileira (CJB) sempre que possível, e muito do que o rabino Nilton Bonder fala ultrapassa meus ouvidos e entra em meu MATEUS SOLANO-macarrãocoração”.

“O judaísmo é fundamental em minha vida, pois aprendi a importância de ser generoso e de acreditar no potencial do outro”, disse em entrevista”.

Ele prefere se entregar a um bom livro a se dispersar com a internet. Não tem página no Facebook (embora existam criações falsas, abarrotadas de “amigos”) e usa o Twitter, onde tem mais de 60 mil seguidores, com parcimônia.

“Não quero entrar nesse mundo paralelo que engole o tempo. Tecnologia é o tipo de coisa que afasta a gente, não aproxima. A partir de um ponto, rola uma vida paralela que não estou disposto a viver.”

Atualmente, ele lê a série “Game of Thrones”. “Um épico maravilhoso de sete livros, cada um tem 700, 900 páginas, e eu estou doido para ler todos.

MATEUS SOLANO-LIBERDADE,...Jovem, seu sonho de sucesso era morar perto de teatros, “como o Carlos Gomes e o João Caetano, na praça Tiradentes, no centro do Rio de Janeiro”, para poder ensaiar muito”.

A televisão nunca foi seu alvo, mas foi por intermédio dela que conquistou a crítica e seduziu o grande público.

Sua interpretação de Félix, o arrebatador vilão da novela “Amor à Vida”, da Rede Globo em 2013 levou o ator a ser reconhecido como um dos melhores de sua geração e a ser escolhido por ISTOÉ como “Brasileiro do Ano em Televisão”.

Sua independência financeira foi sendo conquistada às custas de MATEUS SOLANO-jerusalempequenas participações na tevê e muito trabalho duro no teatro.

Só em um ano, por exemplo, foram seis peças diferentes. Em 2008 participou da peça Hamlet, em São Paulo.

Mateus Solano recebeu em 12 de maio de 2014, o título de cidadão honorário do Rio de Janeiro, na Câmara Municipal. Por iniciativa da vereadora Teresa Bergher, o ator recebeu a honraria no 66° aniversário do Estado de Israel por sua atuação na religião.

Mateus falou sobre o relacionamento com a mulher, Paula Braun, em entrevista à revista Marie Claire. “Eu realizo todos os dias o sonho da minha mulher e ela realiza o meu”. E completa: “o de ser feliz, ter uma família bacana…”.

________________

 

mezuza-3

https://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2017/03/MATEUS-SOLANO-capa.jpghttps://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2017/03/MATEUS-SOLANO-capa-150x150.jpgMoisés SpiguelENTRETENIMENTOJUDEUS NO CINEMAjudeus no cinema,Mateus Solano,Novelas brasileirasDe origem judaica por parte de mãe, Mateus Solano Schenker Carneiro da Cunha, judeu praticante, nasceu em Brasília, mas viveu lá apenas os primeiros meses de vida. O pai, João, diplomata, foi transferido para Washington, nos Estados Unidos, e, depois, para Lisboa, em Portugal – onde os pais se separaram. Aos...Comunidade Judaica Paulistana