JUSTOS-CAPA- JAN ZABINSKI

 

No Museu do Holocausto – Yad Vashem – em Jerusalém, existe uma árvore plantada em homenagem a cada “Justo entre as Nações”, título concedido pelo governo de Israel em reconhecimento a todos os não-judeus que durante a Segunda Guerra Mundial salvaram vidas de judeus da sanha sanguinária do nazismo.

Antonina e Jan Zabinski são Justos entre as Nações.

Tudo começou com o Dr. Jan Żabinski e sua esposa Antonina, dois poloneses cristãos. Jan se tornou diretor do Jardim Zoológico de Varsóvia em 1929, quando o zoológico já havia evoluído de uma exposição itinerante de animais em 1871 para um próspero Jardim Zoológico na margem direita do rio Vístula, onde ainda está localizado.

Jan e Antonina foram grandes amantes das artes, bem como de animais.

Jan Zabinski-CAPA

Jan tinha estudado desenho na Escola de Belas Artes e trabalhou como pesquisador na Universidade de Varsóvia de Ciências da Vida, no Departamento de Zoologia e Fisiologia Animal.

Antonina era arquivista no mesmo departamento, que é onde eles se conheceram.

Na década de 30 o zoológico florescia como um dos mais imponentes zoológicos do mundo, que abrigava ursos polares, elefantes africanos e linces naturais da única floresta intocada da Europa.

O Zoológico de Varsóvia se tornou um destino, que pessoas de toda a Europa iam visitar. Mas o ano de 1939 marcou um ponto negro na história do casal. Os nazistas invadiram a Polônia e diversas nações acabaram mergulhando na Segunda Guerra Mundial.

Jan Zabinski-GUETO

Sob a ocupação nazista, a Polônia foi envolta em medo e opressão. Mas ninguém sofria mais do que a população judaica que logo enfrentaria perseguição e genocídio implacáveis.

Jan e Antonina viram o abuso que os judeus sofriam nas mãos dos nazistas. A comunidade judaica em geral – na qual o casal cristão tinha muitos amigos – acabou sendo levada para o tenebroso Gueto de Varsóvia.

Mas apesar da ameaça nazista – que se estendia a qualquer pessoa que ousasse questionar o regime de Hitler – os Żabinski não ficaram indiferentes diante de tal injustiça e maldade.

Eles se juntaram à resistência polonesa e assumiram a responsabilidade de realizar um plano que resgatasse judeus do gueto.

Jan Zabinski- livro-2

O casal abrigou os judeus em vias subterrâneas que ligam as gaiolas dos animais. Jan que se tornou um tenente da resistência polonesa, também usou o zoológico para armazenar armas para a resistência.

O israelense Moshe Tirosh, um dos 300 judeus cujas vidas foram salvas graças ao heroísmo do casal, passou três semanas no zoológico, onde ele morava em um quarto subterrâneo sem janelas, com sua irmã mais nova recebendo comida de Zabinskis e seu filho, Ryszard.

Por razões de segurança, os pais de Tirosh ficaram em uma câmara diferente no labirinto subterrâneo.

Até o momento que Tirosh chegou ao zoo, muitos dos animais haviam sido mortos – alguns em grupos de caça que os oficiais nazistas realizavam lá – ou enviados para zoológicos alemães.

Determinado a manter o jardim zoológico funcionando por causa de seu valor para a resistência, Zabinski transformou-o em uma fazenda de porcos após a rapinagem dos alemães.

Jan Zabinski-filme

Às vezes, Zabinski ia contrabandear carne de porco para o gueto judaico, onde a proibição de seu consumo tinha sido abandonada por causa da política de fome nazista que obrigava judeus a viverem em uma dieta de 187 calorias por dia (um adulto necessita cerca de 2.500 calorias por dia).

Durante a guerra a compaixão e as convicções do corajoso casal resultaram em mais de 300 vidas salvas. Jan e Antonina eram cristãos que se sentiram chamados a lutar contra a opressão nazista.

Jan foi ferido em 1943 na luta do levantamento do Gueto de Varsóvia. Recuperou-se e foi levado a um campo de prisioneiros de guerra na Alemanha, de onde regressou ao terminar a guerra em 1945.

Antonina e seus dois filhos foram enviados à Alemanha. No caminho ela conseguiu escapar com as crianças chegando a uma aldeia onde permaneceram até o fim da guerra.

Jan Zabinski-em Israel

O casal com os filhos voltaram a Varsóvia. Jan trabalhou como professor. Escreveu mais de 50 livros e apresentou um popular programa de rádio sobre animais.

Em 7 de outubro de 1965, em uma cerimônia no Yad Vashem (Museu do Holocausto) com convidados a quem eles tinha salvado, foram reconhecidos como Justos entre as Nações pelo governo de Israel.

Em uma das entrevistas concedidas à imprensa israelense naquele momento, Jan disse: “Não foi um ato de heroísmo, apenas uma simples obrigação humana.”

Antonina morreu em 1971 e seu esposo Jan três anos depois.

 

[Com agradecimentos a Celia Prado que sugeriu a presente publicação]

Trailer legendado do filme “O Zoológico de Varsóvia”

 

https://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2018/03/JUSTOS-CAPA-JAN-ZABINSKI.jpghttps://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2018/03/JUSTOS-CAPA-JAN-ZABINSKI-150x150.jpgMoisés SpiguelHISTÓRIAS DO HOLOCAUSTOHolocausto,Jan Zabinski,Justos entre as Nações    No Museu do Holocausto – Yad Vashem – em Jerusalém, existe uma árvore plantada em homenagem a cada “Justo entre as Nações”, título concedido pelo governo de Israel em reconhecimento a todos os não-judeus que durante a Segunda Guerra Mundial salvaram vidas de judeus da sanha sanguinária do nazismo. Antonina...Comunidade Judaica Paulistana