82573

O Bud faz uma coisa que eu amo demais. Sei que vários cães fazem isso. A gente não combina, simplesmente acontece. É o seguinte: Ele se aproxima de mim devagar quando eu estou sentada no chão e vai se chegando, abaixa a cabeça e delicadamente empurra meu corpo com ela. Aí eu começo a fazer carinho nele e ele empurra mais, soltando uns barulhinhos de satisfação. É como se ele quisesse transformar nós dois em um só, como se ele pudesse entrar em mim e a gente não se separasse nunca mais. Esse momento pode durar alguns segundos apenas, mas fica eternizado.

Não quero que algum estudioso do comportamento canino venha me dar lições sobre o que significa isso. Não quero etologistas me criticando, elogiando ou explicando. O que importa para mim é que, nesse momento, sinto o maior amor que o Bud – ou qualquer animal – pode transmitir. Para mim é como se ele quisesse me abraçar, dizendo o quanto ele me ama, e ele só quer receber de volta o carinho que eu dou, como prova de que eu também o amo muito.

Considero esse momento quase sagrado, só entre nós. Todos os dias eu vou pro chão e espero ele se aproximar com o momento mais carinhoso do dia. Às vezes mais de uma vez por dia.

Com o passar do tempo percebi que cães de amigos meus, que gostam muito de mim, fazem a mesma coisa. Começo a achar que isso é realmente uma declaração de amor. Mas como já havia dito, não quero que me expliquem o que é, quero acreditar que seja isso.

As pessoas têm a mania de explicar cada ação, reação, movimento, gesto, latido, qualquer manifestação natural do cão. Assim como têm a mania de comparar a idade deles com a nossa, dizendo que cada ano nosso equivale a 7 deles. E atualmente já mudaram o conceito, dizem que o primeiro ano equivale à infância e adolescência, e no segundo ele já seria um rapaz de uns 20 anos, e depois x anos a cada ano. Pra que isso? A idade de cada um, de cada ser, é dele mesmo. Então vamos nos comparar a tartarugas. Como seria? Cada ano tartarugal equivaleria a 0,7 anos humanos?

Queria que todos respeitassem a ideia que cada ser tem o seu próprio tempo e pronto. Não temos que fazer equivaler idades entre diferentes espécies. Isso é aceitar cada ser como ele é.

Bem, voltando à mania de explicar tudo relacionado a cães, é complicado explicar, mas é algo mais ou menos assim: Por que explicar? Por que não simplesmente aceitar? Existem manias de cães que, por mais que me digam o significado daquilo, sempre acho que tem algo mais. Algo que nós, seres humanos, não identificamos. Coisas que não podemos provar cientificamente, basta aceitarmos e pronto. Vamos deixar de gostar, ou gostar mais ou menos se entendermos esses movimentos? Por exemplo: Por que o cachorro se esfrega em sujeira ou algum animal morto? A explicação é: para ele disfarçar o seu cheiro. Mas disfarçar para que? Por que? Pra que saber? Vamos aceitar os instintos e pronto. Por que ele cava? Ué?! Cava porque antigamente ele tinha que esconder a comida pros outros não pegarem, cava para fazer uma cama mais confortável na terra, mas também cavam simplesmente por cavar, porque cães são curiosos por natureza, para se refrescarem, ou porque estão a fim.

Essas coisas ligadas a instintos não precisam de explicação. Não para mim. Coisas que podemos explicar cientificamente até aceito que a gente decifre, algo no estilo “cães enxergam em cores ou preto e branco?” Hoje podemos provar que cães enxergam em cores, pois eles têm, assim como nós, células capazes de identificar as cores. A diferença é que eles têm muito menos dessas células, assim enxergam menos cores (esse parágrafo foi escrito esperando que professores de ciências comecem a ensinar isso de uma maneira mais correta para as crianças. Na verdade espero que já ensinem, mas meus sobrinhos aprenderam errado e eu tive que ensinar).

Enfim, isso tudo para pedir que aceitem os cães como eles são, afinal, esse mistério é uma das coisas que mais nos fascina em relação a eles.

Outro dia li numa revista que os primeiros lobos domesticados, observando que os humanos gostam mais de filhotes, aprenderam a se comportar como tal, inclusive adultos. Por isso até hoje os cães adultos adotam certos comportamentos de filhote. Achei isso sensacional, me provaram que são mais inteligentes ainda do que eu imaginava.

https://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2017/03/82573.jpghttps://portaljudaico.com.br/vendoo/uploads/2017/03/82573-150x150.jpgSheila NiskiEXPERTSVIDA DE CÃOO Bud faz uma coisa que eu amo demais. Sei que vários cães fazem isso. A gente não combina, simplesmente acontece. É o seguinte: Ele se aproxima de mim devagar quando eu estou sentada no chão e vai se chegando, abaixa a cabeça e delicadamente empurra meu corpo com...Comunidade Judaica Paulistana